Zé Laurentino

Natural do Sítio Antas, Puxinanã/PB, de orígem rural, começou fazer versos aos 12 anos de idade. Estudou no Ginásio Comercial “Plínio Lemos”, onde demonstrou sua inclinação de líder, exercendo a atividade de representante de classe e presidente do Grêmio Estudantil. Foi eleito vereador em 1972, sendo o segundo mais votado. Nos palanques recitava, arrancando aplausos do público com um dos seus primeiros poemas: “Retorno à Casa Paterna” . Já exerceu a função de Presidente da Casa do Poeta Repentista de Campina Grande (Casa do Cantador) por mais de uma vez.

Foi desenvolvendo sua criação poética e não parou mais. De inteligência privilegiada, o poeta Zé Laurentino coloca-a serviço do seu povo, fazendo rir e tirando lições do acontecer cotidiano caipira, prendendo a atenção do público quando está declamando suas poesias matutas, cascateadas de caboclo humor.

Livros:

-Coletânea Poética de Zé Laurentino:
Nesta obra estão reunidos mais de 200 poemas escritos durante a vida desse paraibano. “É um resumo de tudo que senti, de tudo que vivi, as saudades, as tristezas e as emoções ainda contidas dentro desse velho peito”, sintetizou o poeta. Nas 416 páginas da Coletânea estão os poemas mais conhecidos de Zé Laurentino, como Eu, a cama e Nobelina, O mal se paga como o bem, Mudança de Chico Bento, Esmola pra São José, Matuto no futebol, entre outros, publicados anteriormente nos seus nove livros.

-Sertão, humor e Poesia [5 edições/1990];
-Meus Versos Feitos na Roça;
-Carta de Matuto;
-Na Cadeira do Dentista;
-Poesia do Sertão;
-Dois Poetas, Dois Cantares [Parceria Edvaldo Perico];
-A Grande História de Amor de Edmundo e Maria (Cordel);
-Poemas, Prosas e Glosas [1988]. (maria do socorro cardoso xavier)


9 comentários:

  1. meu sonho é conseguir uma poesia de Zé Laurentino "pra tudo é preciso peito"
    meu e-mail é : marquincle04@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. É um grande orgulho para nós Puxinanãenses, termos um poeta de grande porte carregando o nome de nossa querida cidade.

    Kerssia Marinho

    ResponderExcluir
  3. Zé Laurentino é o cara ;}

    ResponderExcluir
  4. mossosoro da silva recife pe14 de março de 2012 03:06

    ze laurentino adoro s trabalho .tão pouco divulgado .matuto no futebol é de +

    ResponderExcluir
  5. sou filho de puxinanã e sobrinho do poeta.
    e venho aqui deixar meus agradecimentos a esse puxinaense e paraibano.

    ResponderExcluir
  6. O quão rico é o nosso nordeste.. Olha o Zé laurentino ai. Traduz- em forma de poesia- o perfil do humilde nordestino. Trata a simplicidade de um povo com destreza impar. Que perfeição, que riqueza e originalidade dos seus versos.Que Maestria. Parabéns ..

    ResponderExcluir
  7. A ESCULTURA POÉTICA
    Geraldo Bernardo


    Sou poeta de bancada
    Faço versos e não canso.
    As ideias brotam em rimas
    Por algumas vezes, alcanço,
    Modelo algumas estrofes .
    É uma nova obra que lanço.

    Meu verso às vezes é manso
    Noutras faz fala forte
    Celebro a liberdade,
    A vida com labuta e sorte.
    Não temo duras intempéries
    Nem tenho medo da morte.

    Há quem ache que sou sem norte
    Ou que não sou centrado.
    Posso mudar muitas vezes
    Em algumas, ser estourado,
    Mas minha alma revolta-se
    É com quem vive estagnado.

    Quem hoje, ainda é limitado
    Neste mundo tão diverso,
    Não tem discernimento.
    Com pessoa assim não tergiverso,
    Essa gente que cai em armadilha
    À esse povo digo o inverso.

    Não sabe como é o verso
    Toda essa gente idiota
    Pega qualquer besteira
    Pensando ser uma porta
    Para denegrir pessoas
    Deixa ao lado o que importa.

    Há sempre mais de uma porta
    Pra quem vive sem medo.
    Quem enfrenta com galhardia
    O mundo e todos os segredos
    Alguém assim não é esquecido
    E jamais vive em degredo

    A vida não é brinquedo
    Mas, o mundo é montanha russa.
    Há dias de felicidade
    Noutros a fé fica murcha.
    E quando no alto paramos
    A gravidade nos puxa.

    Minha vida tem via avulsa.
    Não adianta pôr arreios nos dias,
    Que nalguma vereda
    O destino e suas fantasias
    Tomam-me das mãos as rédeas
    e levam-me pra onde há poesia.

    Poeta enfrenta a hipocrisia
    Com a lança da verdade,
    Às vezes fere fundo
    Sem dó nem caridade.
    Combatendo com versos
    A cruenta falsidade.

    Ouço a voz da felicidade
    Vez por outra no meu ouvido
    Cheia de libidinagem
    Desta paixão eu duvido
    Embora caia de quatro
    Até ser gato e sapato
    E perder todos os sentidos.

    Tenho o destino cumprido,
    Embora sem saber o rumo.
    Vou obedecendo ao acaso
    Os dias vão mostrando o prumo
    Nem sempre tem sido ruim
    Nem tudo depende de mim,
    Mas, acerto ou erro eu assumo.

    O melhor da laranja é o sumo
    No ser humano é a verdade
    Por mais escassa que esteja
    É melhor a sinceridade
    Nem que doa por um momento,
    Ainda é o maior sentimento
    Pra conservar amizade.

    VISITE MEU BLOG: www.matutoberadeiro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

^